6.5.11

Malditos, o caralho!


Chega dessa história tola de malditos da MPB. Cansei de ouvir esse termo. Que ignorância é essa em colocá-los neste posto, sabendo que eles eram contra isto? Muita gente pagou caro e por causa de alternativinhos de merda vão continuar a serem classificados como malditos. Malditos é o nome dado àqueles músicos que bateram de frente com a indústria fonográfica nas décadas de 1970 e 1980. Eles queriam qualidade na música e não que ela fosse uma receita de sucesso, apenas. Os malditos não eram contra o popular. Pelo contrário. Sua batalha maior era justamente fazer com que músicas de qualidade extrema tocassem nas rádios e se tornassem populares. Ou vai dizer que um samba de Luiz Melodia não é popular?

Porém, os fãs fizeram e fazem justamente o contrário desta proposta, os colocando no limbo, no fundo de suas prateleiras de discos e privando a massa de apreciar obras geniais, estruturas musicais belíssimas e muita qualidade popular. Sim! Eu disse popular. E com todas essas letras, esses artistas lutavam para que o bom gosto invadisse a casa de todos. Os metidos a intelectuais ainda insistem em argumentar que a massa não sabe apreciar boas músicas. Ora! Deixe o povo então ouvir boa música. Deixe o povo colocar o bloco na rua!

Os mesmos intelectuais que preferem se gabar afirmando possuírem conhecimento sobre esses artistas a mostrar a toda uma população carente de cultura as obras que a MPB produziu nas duas últimas décadas do século XX. Este tipo de gente ajuda a acabar com a música e a colocar no topo das paradas um universo infinito de pagodeiros com óculos na cabeça ou mulheres rebolando em cima de um palco. Porque eles não deixam coisas boas virarem produtos da massa. O povo deve consumir, deixem que o povo tenha oportunidade de ter essa enorme herança nacional: a MPB.

Vão à merda! Vocês ficam nos botecos falando filosofia barata e defendem a boa música. Exigindo que ela seja acessível e quando se torna acessível, vocês viram as costas com argumento barato que “se vendeu ao mercado”. Muita gente boa pagou caro por causa dessa intelectualidade de "luxo". Muita gente ficou sem conhecer sambas, rocks, marchas, boleros e um universo rico de nossa música porque ainda há uma cultura do brasileiro de achar que o popular é ruim. Ficarei enormemente feliz quando ouvir Tom Zé tocar numa estação FM.

Quero deixa um abraço imenso a Sérgio Sampaio, Luiz Melodia, Jards Macalé, Itamar Assumpção, Ednardo, Elomar, Noite Ilustrada, Gonzaguinha, Arnaldo Baptista, Bebeto, Lanny Gordin, a galera da Mangueira e Portela entre tantos outros que pagaram e pagam caro pela imbecilidade de muitos.

Só para deixar registrado: a comunidade de Malditos e Marginais da MPB no Orkut é moderada. Só entra gente "descolada". Irônico, não?

3 comentários:

r.sotero disse...

Nunca me arrependo de visitar o barco bebado!
do caralho essa postagem!

Anna Alchuffi disse...

Essa postagem é muito boa! Caralho, esses imbecis querem fazer da bia música algo para um grupo extremamente seleto, cheio de aparência e elegância ''ou deselegância''.
Um salve para os artista que insistem em fazer arte de qualidade....A arte de qualidade deve atingir a todos!!!

Anna Alchuffi disse...

Arte boa deve ser mostrada a todos, e não para um grupinho ''seleto de imbecis''' que se acham o máximo.
Um Salve para artistas que não corrompem sua arte!