28.1.11

Pérola Negra (1973) - Luiz Melodia

3 de 1973: Pérola Negra - Luiz Melodia.



O disco inaugural de Luiz Melodia, de 73, é uma profunda inserção sobre as possibilidades do samba. Um quê tropicalista, mas também psicodélico, de letras poéticas simples e melodiosas. Um gênio que sobressai-se pela sutileza rara de composição, e interpretação única de suas próprias músicas com sua negritude de Pérola.
Ao início é óbvia a referência ao bairro de Estácio, assim como da escola de samba cantada, com as faixas "Estácio, eu e você", "Estácio, Holly Estácio". Entre estas a segunda mais conhecida do disco, "Vale o quanto pesa", evocando a todos os ritmos latinos. 'Pra Aquietar', com uma pegada mais rock; 'Abundantemente Morte', uma bossa triste; a faixa título e mais conhecida 'Pérola Negra', sem comentários... e então chega na minha preferida: Magrelinha. Transcrevo a letra:


"O pôr-do-sol vai renovar, brilhar de novo seu sorriso
E libertar da areia preta e do arco-íris cor de sangue, cor de sangue, cor de sangue
Um beijo meu vem com melado decorado cor de rosa
O sonho seu vem dos lugares mais distantes, terra dos gigantes
Super-homem, super mosca, super carioca, super eu! super eu!
Deixa tudo em forma é melhor não ser
Não tem mais perigo digo já não sei
Ela está comigo digo só não sei
O Sol não adivinha, baby, é magrelinha
O Sol não adivinha, baby, é magrelinha
No coração, no coração, no coração do Brasil
No coração, no coração, no coração do Brasil"


O disco continua com a também conhecida 'Farrapo Humano', versão da música de Jards Macalé, 'Objeto H' também uma mpb/bossa com teclados ótimos e de letra profunda; e por fim 'Forró de Janeiro', um forró revisitado, mesmo, e muito bom.

Dada a profusão de ritmos e pensamentos, curvo-me diante deste disco de Luiz Melodia.


Lista de Músicas:

1. Estácio, Eu e Você
2. Vale Quanto Pesa
3. Estácio, Holly Estácio
4. Pra Aquietar
5. Abundantemente Morte
6. Pérola Negra
7. Magrelinha
8. Farrapo Humano
9. Objeto H
10. Forró de Janeiro



300 Mil Visitas!

+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+

Dei-me férias e neste promissor 2011 houve neste blog apenas a postagem do Fly, desculpem-nos. Afinal neste meio-tempo atingimos já no início do ano o expressivo número de 300 mil visitas, viagens, idas e vindas neste Barco Bêbado. A comemoração se desenrola pelo mês todo, então comemoremos!


Voltamos com nossos translados ocasionais, aguardem. E sejam bem-vindos a bordo!


A nossa imagem de abertura comemorativa foi feita como sempre pelo Angelo Augusto.


21.1.11

O Declínio da Civilização Simbólica.


Hoje em dia nossa realidade se baseia no princípio do pragmatismo, somente depois contamos com a experiência e com a execução de algo que se pode catalogar como algo bom ou mal, e partindo daí se decide se algo vai seguir como permitido pela sociedade. O pragmatismo se caracteriza pela insistência nas consequências como maneira de caracterizar o verdadeiro significado das coisas.
Precisamos de uma reinterpretação de conceitos culturais e religiosos para chegar novamente na sua verdade. O símbologo do dinheiro, a silhueta de uma AK-47, e outros símbolos de poder hoje em dia são tratados como símbolos de culto, e isso por muitas razões. O dinheiro, o símbolo do cifrão move o mundo moderno, representa todo um sistema de transação de mercado, e as pessoas se matam por ele. A AK-47 é a arma mais eficiente jamais criada pelo ser humano, é responsável por mais mortes do que a bomba atômica, representando também o poder da modernidade. Precisamos criar uma rede subversiva que tenha uma mentalidade nova e não fundadas em cima de conceitos obsoletos para uma verdadeira compreensão da existência.
Mudanças movem o mundo, e estamos estagnados numa aceitação do cotidiano como se fosse a verdade. Precisamos de uma revolução que nos lembre que somos apenas seres primitivos. Precisamos de alquimistas do novo tempo, este que não podemos mais escapar, este que não será vencido pelo poder que símbolos humanos ganharam em nossas mentes.
Como seres primitivos precisamos contar com nossos instintos para a sobrevivência. O óbvio triunfa pois é sinal de proteção. O óbvio não faz apenas as pessoas correrem do que as faz pensar e questionar a mudança, o óbvio cria uma irmandade em cima do senso comum. Uma das funções que devemos encorajar a humanidade é do desenvolvimento de uma individualidade multi-dimensional, aonde os significados serão pessoais, em favor desta individualidade se voltar ao lado primitivo de nossa alma, e então alcançaremos a percepção do que realmente somos.

~ Ismael Alberto Schonhorst ~